Livro vs Filme: O Orfanato da Srta Peregrine para crianças peculiares



Voltei! Ufa! Depois desse tempo todo longe do bloguinho, pensando váááárias pautas legais pra trazer pra vocês e esquecendo todas em cinco minutos, estou aqui. E hoje vamos bater um papo sobre uma adaptação de livro que a gente já resenhou no Garupa, mas que eu não podia deixar de comentar: O Orfanato da Srta Peregrine para crianças peculiares.

Pra quem tá por fora, essa é uma série de três livros escrita por Ransom Riggs e conta a história de crianças que nasceram com “peculiaridades” como produzir fogo, ser mais leve que o ar e controlar abelhas. Elas são perseguidas por seres da escuridão, por isso, vivem sob a proteção de Ymbrynes, mulheres capazes de se transformar em aves e de controlar o tempo. As Ymbrynes criam fendas temporais, lugares além do espaço-tempo, em que as crianças vivem um mesmo dia em looping infinito.



É uma história incrível, de um livro que reserva fotos bizarras página após página, uma adaptação digna de Tim Burton, ou não. Recentemente a adaptação para os cinemas da história foi lançada e adivinha quem foi convidado para produzir? Isso mesmo! Tim Burton.

A fotografia do longa é impecável, mas já no inicio nos deparamos com uma adaptação bem desconfortável: o filme troca a personagem que faz par romântico com Jacob, personagem principal, o que soa bem confuso no começo para quem leu a saga. O tempo todo a mente tem que ficar se policiando que a fulana agora é a ciclana e que a ciclana é a fulana. Até tentam arranjar um outro par romântico pra personagem que foi trocada na maior caruda, deixando tudo ainda mais superficial. Nesse momento do filme, você já se pegou pensando duas ou três vezes por que raios eles foram mexer nisso.



~ O que você não sabia é que a coisa ia piorar bastante e você ia sair da sala de cinema com aquela cara de quem sai da sala do ENEM depois de não ter estudado o ano inteiro ~

Se a troca de Olive por Emma não fosse o bastante, a única parte do filme realmente mais ou menos fiel aos livros é o começo, do meio para frente é uma sucessão de caretas e expressões de “ué". O final, que tinha tudo pra ser surpreendente se seguisse a história original ou mesmo os filmes do próprio Tim Burton, acaba soando confortável e infantil. O filme acaba, toca a música da Florence que é maravilhousa   e você tá lá ainda tentando entender como puderam fazer isso.

Esse gif consegue traduzir totalmente como eu me senti quando eu sai da sala de cinema (a flor representa minha expectativa)

É um filme horrível que não vale nem a meia da meia entrada? Não. Quem não leu o livro, pode até se deixar envolver pelo roteiro que criaram, achar tudo lindo, maravilhoso, querer comprar o dvd e assistir mil vezes.

Quem leu só quer parar de imaginar a Olive como Emma e a Emma como Olive. O lado positivo? Se você já viu o filme e ainda não leu o livro, não tem spoilers e o livro é beeeem mais legal!



Um comentário:

  1. Nossa fiquei muito curiosa em ler o livro!!! eu já fui amante dos livros, mas depois que "cresci" não consigo fazer isso com muita frequencia,mas estou voltando e esse esta em minha lista. bjuxxx
    Te indiquei em uma Tag: Casa Cherry

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.