Precisamos falar sobre família

Imagem retirada do post da fanpage PAC MÃE

Eu tava aqui me controlando pra não falar nada sobre os últimos acontecimentos e burburinhos que rolaram nas redes sociais sobre o Estatuto da Família definir entidade familiar como núcleo formado a partir da união entre homem e mulher, daí eu assisti um vídeo do PSC com todos os envolvidos no caso comentando o "grande avanço na família tradicional" e resolvi chutar o balde.


Famílias fora desse padrão já existem no Brasil (e aos montes), se nos reunirmos todos numa conversa veremos que nem todos foram criados por homem+mulher como pai+mãe, muitos de nós foram filhos de mães solteiras, pais solteiros, avós, alguns de nós tem mães ou pais que no decorrer do caminho tiveram a coragem de assumir a homossexualidade e é isso gente, essas famílias existem, não vão deixar de existir jamais. Entendem o problema? Ao invés de ampará-las, de fazer com que crianças vindas dessas famílias percebam o quanto isso é normal, o Estatuto acaba excluindo ainda mais e tentando impor um modelo que não se encaixa na nossa realidade.

Imagem retirada da fanpage PAC MÃE

O mais triste nisso tudo é que os deputados usam como justificativa a família tradicional e a família como objeto de Deus, não existe nada de errado em crer, em ter fé, mas é errado impor isso quando o assunto pede imparcialidade, entendem? O mais absurdo é que na votação online da câmara os votos contra ganharam, mostrando que esse não é o olhar da maioria da população sobre o assunto. Contraditório, não? Não seriam eles a nossa voz? A voz do povo?

Enfim, eu não quero que esse seja um texto sobre religião ou política, por mais que eu acredite que esses dois devam andar BEM distantes, mas um texto pra colocar a mão no coração e pensar que existem milhares de pessoas por aí e que cada uma pensa de um jeitinho e que pra gente ter um mundo melhor a gente tem que pensar no bem estar e na felicidade da maioria, se podemos unir, fazer o outro se sentir querido, bem vindo, aceito, por que então segregamos, apontamos, discriminamos tanto?

Se você acredita numa família com pai + mãe eu acho ótimo e torço muito para que você tenha uma, torço muito para que também aceite a diversidade e o poder de livre escolha do próximo e que tenha amor, principalmente, porque religiosamente ou não, é só disso que a gente precisa.

Por aqui, a gente acredita que família significa amor e nada mais.

(O Pac Mãe inspirou a gente a fazer esse post e tá tendo uma série bem legal de publicações por lá, inclusive algumas ilustram esse post, no Collant sem Decote também!)

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.